Como Escolher os Pneus Mais Adequados

Há diversos fatores a ter em conta no que concerne à escolha dos pneus, visto serem a base de contacto com o terreno, e esse é o ponto de partida para qualquer condutor: se o veículo vai circular na estrada (asfalto), fora dela (terreno) ou alternadamente em ambos os pisos (misto).

Apetrechar a viatura com pneus inadequados pode não só comprometer a qualidade do produto, pelo seu desgaste irregular, como a segurança da viagem, pela desestabilização do veículo.

Para circular fora do asfalto, os pneus são mais espaçados, com sulcos mais largos e são, por defeito, mais reforçados. Os denominados “citadinos”, pelo contrário, possuem sulcos mais estreitos com o propósito de aumentar a superfície de contacto.

A melhor iniciativa passa por verificar as indicações do fabricante ou de especialistas, pois o bom desempenho, manutenção e durabilidade possuem relação direta com a revisão da pressão adequada, o cuidado com o alinhamento a nível da direção e o controlo do desgaste dos sulcos.

De forma geral, a duração média de vida de um pneu é de cinco anos. A manutenção da pressão adequada (conhecida como calibragem) deve idealmente ser realizada a cada duas semanas, com pouca ou nenhuma rodagem (ou seja, a frio), para se obter uma referência o mais exata possível.

O alinhamento da direção deve idealmente ser feito antes da inspeção periódica obrigatória, mas também é recomendado sempre que se substitui algum pneu do eixo dianteiro.

No entanto, ao contrário do que muitos condutores pensam, os pneus mais recentes devem ficar no eixo traseiro, pois caso suceda alguma eventualidade, o condutor tem, pela direção, alguma capacidade de manobra/resposta, e tal não acontece se existir um azar com um pneu do eixo traseiro.

A personalidade do condutor e o seu modo de dirigir afetam diretamente a durabilidade. Profissionais, como os da pneu-guru.pt, recomendam uma condução equilibrada, sem acelerações ou travagens bruscas, e a devida atenção aos sinais de desgaste que apontam para a hora de substituição, tais como perda de aderência, demasiada vibração no volante e aumento desadequado do consumo de combustível.

O seu carro fala consigo!

Esta entrada foi publicada em Pneus. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *